Dia 31 de Março Dia Mundial do Backup

O Dia Mundial do Backup, em 31 de março, surgiu como uma referência bem humorada ao Dia da Mentira em 1º de abril. Mas se tornou algo sério.

O Brasil é o terceiro país que mais recebe ataques cibernéticos em dispositivos conectados à internet. Milhões de dados, senhas e arquivos são roubados ou infectados todos os anos, como você pode ler nesta reportagem.

A iniciativa mundial quer incentivar todas as pessoas a protegerem suas informações e fazerem backup de seus dados pessoais. Outra intenção é discutir sobre como preservar nosso patrimônio e obras culturais, cada vez mais digitais, para as gerações futuras.

O objetivo é alcançar aqueles que nunca fizeram backup e nem sabem o que é isso. Mas quem trabalha com computadores sabe que o dia mundial para proteger suas informações é todo dia, para evitar surpresas e perda ou roubo de dados.

O organização afirma de 30% das pessoas em todo planeta nunca fizeram uma cópia das informações contidas em seus computadores.

3/4 das mulheres alvo de violência conhecem agressor

3/4 das mulheres alvo de violência conhecem agressor

O local mais inseguro para a mulher brasileira vítima de violência é a própria casa. E o agressor está dentro do ambiente doméstico: 76% das agressões são cometidas por conhecidos (namorado, cônjuge, companheiro, vizinho ou ex). A violência é também silenciosa: entre as que sofrem violência, metade (52%) se calou e não fez nada. Somente 15% procuraram ajuda da família e 10,3% buscaram uma delegacia da mulher.

‘Ligue 180’ recebe denúncias sobre assédio e violência contra a mulher

A pesquisa Violência Contra as Mulheres, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, ouviu 2.084 pessoas nos dias 4 e 5 sobre situações vividas por elas nos últimos 12 meses no País. Na 2 .ª edição, o estudo descreve impactos e o perfil de vítimas de violência física e psicológica.

“O espaço doméstico não é seguro para boa parte das brasileiras”, diz Samira Bueno, diretora executiva do Fórum. “É seguro para o agressor, onde se sente mais à vontade para agredir que na rua”, afirma. “Tampouco o espaço público é seguro para a mulher, onde ela sofre assédio. Temos falado muito de violência em balada, em carnaval, em festas em si, mas a mulher está sendo assediada no transporte público, indo para o trabalho, voltando da escola e da faculdade.”

Em 2018, por hora, ao menos 1.826 mulheres foram vítimas de algum tipo de violência no Brasil. Ao todo, foram 16 milhões de brasileiras (27,4%) que sofreram algum tipo de violência. A maioria foi vítima de ofensa verbal, como insulto, humilhação ou xingamento. Entre as que mais relatam agressões estão as jovens de 16 a 24 anos.

O total de vítimas de assédio é ainda maior: 22 milhões das brasileiras com 16 anos ou mais relatam ter sofrido algum assédio em 2018. Vítimas com ensino médio e superior relatam mais terem sofrido algum tipo de assédio do que aquelas com fundamental. O caso mais comum (32,1%), citado por 19 milhões delas, é de comentários desrespeitosos na rua.

O fato de mulheres com mais escolaridade se dizerem vítimas de assédio em maior número tem a ver com o “reconhecimento da violência”, segundo Samira. “O mesmo se dá com a faixa etária. Pode ser que, de fato, as jovens experimentem mais violência do que as mais velhas, mas também pode ser que as jovens estão muito menos tolerantes à violência.”

Em 2018, ao menos 4,7 milhões sofreram agressão física, chute, batida ou empurrão _ 536 casos por hora. Na pesquisa de 2017, eram 503 a cada hora. Também no ano passado, ao menos 4,6 milhões foram agredidas fisicamente por motivos sexuais, o que se enquadra na nova lei de importunação sexual.

Percepção

Em 2017 e no ano passado, homens e mulheres foram questionados se haviam visto, nos últimos 12 meses, casos de violência contra a mulher no seu bairro ou na comunidade. Em 2018, 59% da população disse ter visto ao menos uma. Em relação a 2017, houve queda de 10%. Já a percepção da própria vítima se manteve entre as pesquisas. Questionários foram aplicados só às entrevistadas, que apontaram os tipos de violência: de ofensa verbal a espancamento, de ameaça com faca ou arma de fogo, até empurrão.

Silêncio

Psicólogo do Departamento de Psicologia Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Helio Deliberador indica três possíveis razões para a resistência da mulher em denunciar: constrangimento pela exposição social de um problema de âmbito íntimo, custo psicológico da judicialização para os envolvidos na situação e valores morais que dificultam o reconhecimento da violência.

“Em muitos casos há vergonha de não querer revelar essa situação porque isso teria um custo psíquico grande, como se fosse um fracasso, um certo desajuste. E assim as mulheres acabaram preferindo resolver dentro daquele ambiente ou no máximo com a participação de familiares, dentro do corpo de relações mais próximas, em vez da atuação do Estado”, afirma.

Para Deliberador, a “metida de colher” da rede de assistência psicossocial precisa ser cuidadosa e considerar as variáveis socioeconômicas de cada relação, considerando valores morais e sociais tanto do agressor quanto da vítima. “É uma variável de relações entre as pessoas. É preciso ter uma certa delicadeza por parte de quem está lidando com essa vítima, fazendo intervenção que respeite certos níveis de funcionamento social e psíquico entre agressor e agredido. Nem sempre eles se sentem acolhidos pelo sistema, pelo Estado, que não considera essas variáveis”.

Secretária foi à rede social para denunciar ex

A secretária odontológica Jackeline Mota, de 33 anos, recorreu às redes sociais após sofrer agressão do ex-marido, em julho, em Araçariguama, interior paulista. Ela publicou foto com o nariz quebrado e o rosto ensanguentado, denunciando o agressor. “Cansei de me calar, estou aqui na UBS (posto de saúde) pra quem quiser ver. Meu ex-marido acaba de quebrar meu nariz, porque arrumei um namorado. Detalhe: fez isso na frente dos filhos. Quer me matar (…) mata agora”, escreveu.

A agressão ocorreu quando Jackeline foi buscar um dos filhos, que estava com o pai. O ex saiu de casa e a esmurrou. Passados sete meses, Jackeline acredita que a atitude foi decisiva.

“Consegui a medida protetiva e ele nunca mais me procurou. Antes, eu fazia o BO (boletim de ocorrência), mas não ia para a frente” O ex-marido também foi indiciado por lesões corporais de natureza grave – ela teve de passar por cirurgia – e ainda responde ao inquérito. Jackeline entrou também com pedido de guarda e pensão alimentícia para os filhos.

“Ele vivia me perseguindo, me ameaçando, mas hoje posso dizer que vivo, tenho vida. Deus me deu forças para fazer o que fiz e continuar a viver”, disse ela, que se casou outra vez e espera um filho.

Rio. Na última semana, teve repercussão o caso da paisagista laine Caparróz, de 55 anos. Ela foi espancada durante quatro horas pelo estudante de Direito Vinícius Serra, em seu apartamento, no Rio. Após oito meses de contato pelas redes sociais, Elaine o havia convidado para um primeiro encontro no local. Ele foi preso em flagrante. /COLABOROU JOSÉ MARIA TOMAZELA

Fonte: espresso

20 pequenas atitudes para progredir no trabalho

O cidadão médio dos EUA passa 90 mil horas da sua vida no trabalho, segundo estatística da Gettysburg College. É quase um terço dela. Com isso em mente, ser feliz no seu emprego e progredir na carreira são objetivos vitalmente importantes. Sendo assim, onde se deve começar? A seguir reunimos pequenas atitudes que ajudam a vencer no ambiente profissional.

Se você tem coisas demais para fazer, nunca vai conseguir dar conta. “Quando se lida com prioridades em excesso existe uma grande probabilidade de deixar uma cair pelo caminho”, explica Amanda Augustine, consultora de carreira para os sites TopResume e TopCV. “Identifique quais ‘bolas’ você não pode deixar cair e considere delegá-las para outras pessoas.”

Quanto mais produtivo você é no trabalho, mais valor terá para o negócio. Encontre maneiras de melhorar sua produtividade. Por exemplo, uma pesquisa da Texas A e da M University sugere que ficar de pé durante o trabalho na verdade pode torná-lo mais produtivo. É uma boa coisa para se tentar se você quer dar um salto adiante.

O que você traz para a empresa que ninguém mais pode oferecer? É a pergunta que você deve se fazer se deseja progredir. “É difícil cortar uma pessoa que é considerada a referência para determinada especialidade”, diz Augustine. Além disso, ter uma competência especial também lhe coloca em uma forte candidatura para uma promoção.

Para um progresso contínuo da sua carreira você precisa se comprometer a aprender coisas novas. “Busque oportunidades de ampliar seu leque de competências, aumentar sua expertise e se manter na vanguarda do campo de atuação”, aconselha Augustine. “As oportunidades para isso podem ser webinars, eventos de networking, cursos online ou programas de certificação relacionados com o seu trabalho e campo de atuação


Não é necessário que você esteja ativamente procurando um trabalho para manter seu currículo pronto e incrementado. “A melhor época de manter o currículo atualizado é quando não existe pressão para fazê-lo”, diz Augustine. “A última coisa que você quer é ter que reescrever este importante documento de procura de novas colocações quando as emoções estão à flor da pele e você pode não ter mais acesso a detalhes valiosos que fortaleceriam sua narrativa de carreira.”

Se você deseja progredir, dê uma boa olhada em como está sua vida em casa. “O equilíbrio entre a vida profissional e pessoal para uma mulher de 24 anos solteira será diferente de uma com 36 anos e dois filhos pequenos”, diz Augustine. “No entanto, se você tem a intenção de evitar burnout, é importante para todos os profissionais encontrar algum tempo durante a semana para tratar dos seus assuntos familiares e pessoais.”

O horário padrão de nove às seis com uma hora de almoço não é para todos. É possível que você se sinta mais à vontade e trabalhe melhor em um cronograma mais flexível. “Busque um regime de trabalho como fazer de casa um dia da semana ou chegar mais cedo certos dias para poder sair a tempo de conseguir chegar à sua aula de Pilates ou ao evento da escola do seu filho”, diz Augustine.


Quer uma promoção? Se não pedir, não terá. Não espere que seu gestor aborde o assunto”, aconselha Augustine. “Tome a iniciativa e agende um momento para falar com seu chefe sobre a posição que ocupa na empresa”. Fazer isso o coloca no controle e permite preparar seus melhores argumentos sobre o por que é merecedor de um aumento antes da hora.

Antes de encontrar com seu gerente você precisa considerar como tem desempenhado o seu próprio trabalho. Ninguém melhor do que você para saber como evoluiu. Dedique um tempo a avaliar a sua performance e progresso desde a última vez que conversaram”, diz Augustine. “É necessário demonstrar como os objetivos do ano foram superados.”

Não tenha medo de destacar suas próprias qualidades! Compile uma lista de suas conquistas e assegure todo embasamento necessário com estatísticas e números. Estas informações serão inestimáveis quando você estiver fundamentando sua própria promoção. “Agende um espaço ao menos uma vez ao ano para refletir sobre o seu trabalho e o seu plano de carreira”, diz Augustine. “Dê uma boa revisada na sua lista de conquistas ou comece uma imediatamente.”

Você recentemente assumiu novas responsabilidades? Se fez isso, precisa de qualquer maneira mostrar estas realizações. “Considere como o seu trabalho evoluiu desde a sua última promoção ou avaliação—você passou a encarar maiores responsabilidades, maiores projetos, ou está atendendo clientes mais importantes?”, diz Augustine. “Agora é o momento de mostrar estas informações para o seu gerente.”

Antes de entrar na sala do chefe’ e pedir a promoção, realize uma pesquisa em sites como Salary.com, Glassdoor e nos mais diversos fóruns de emprego para entender como seu cargo e salário estão para o mercado de trabalho”, diz Augustine. Calcular quanto é o salário médio para a sua vaga será importante para indicar quanto você merece.

Você recorre a alguém no seu ambiente de trabalho? Ou, ao invés disso, você é inspirado por algum famoso homem de negócios? Ter um mentor pode ajudar a progredir. Pesquisa recente da Southern Methodist University descobriu que quando estudantes conheceram mulheres carismáticas com brilhantes carreiras foram inspiradas a seguir seus passos, mesmo quando trabalhavam em um ambiente dominado por homens. Encontre um guru.


Como você espera avançar se não sabe para onde está indo? Pode ser o momento de repensar seu plano de carreira. “Recue um passo para avaliar a situação atual e definir seus objetivos de carreira”, diz Augustine. “O que no seu trabalho atual funciona para você—e o que não dá certo? Se for o caso de mudar de emprego, como deve ser a nova função?”

É possível que você já tenha alcançado o topo do seu departamento, então para onde crescer agora? Bom, pode ser uma boa pensar em se movimentar dentro da sua empresa por novas oportunidades. “Existe a opção de mudar de departamento ou procurar uma vaga diferente dentro da empresa onde você trabalha?”, pergunta Augustine. Caso não exista, pode ser o momento de procurar emprego noutro lugar.

A sua experiência profissional é a parte do currículo na qual você diz aos seus futuros empregadores o que tem a oferecer. Não é necessário mencionar que ela vai aumentar na medida em que você vai conquistando mais competências. “Se os seus objetivos de carreira estão mudando, reavalie a sua experiência profissional e as informações listadas abaixo de cada vaga que você ocupou para determinar se elas servem ao seu próximo objetivo”, diz Augustine.

O LinkedIn é uma das melhores plataformas para quem tem interesse em progredir profissionalmente. Utilize ela. Seja o caso de você estar procurando por novas oportunidades ou simplesmente de querer subir, o LinkedIn é valioso para você anunciar sua marca pessoal, criar conexões com outras pessoas do ramo e descobrir novas oportunidades”, diz Augustine.

O seu currículo e o seu perfil do LinkedIn estão em contradição um com o outro? É bom garantir que os recrutadores, que reparam nestas coisas, não tenham esta impressão. “Se você fez uma atualização no seu currículo, é bom que as mesmas informações tenham sido acrescentadas ao seu perfil no LinkedIn para garantir que as duas coisas tenham a mesma versão da narrativa da sua carreira”, aconselha Augustine.

Quando você entra no LinkedIn é bom dar uma boa olhada para sua foto. É suficientemente profissional? Ela dá a impressão de estar desatualizada? Você conseguiria que um profissional fizesse uma imagem sua com a luz adequada? “Observe a sua foto no LinkedIn para perceber se ela mostra como é você hoje”, diz Augustine. É só uma dica, mas pode fazer toda a diferença.

Como os empregadores podem ver o que você tem a oferecer? “Use as seções do Linkedin relevantes para expor seu trabalho, dizer quais são os seus interesses, demonstrar em que áreas você tem expertise e revelar a sua personalidade mais do que permite um currículo tradicional”, diz Augustine. Familiarize-se com as redes sociais e faça uso dos recursos do LinkedIn.

Fonte: espresso

20 sinais precoces do mal de Alzheimer

De acordo com a organização Mayo Clinic, o mal de Alzheimer é uma doença degenerativa que ataca o sistema nervoso e destrói os neurônios, as células do nosso cérebro. Foi relatada pela primeira vez em 1906, pelo médico alemão Alois Alzheimer.

O Alzheimer é uma doença que afeta em grande medida pacientes mais velhos e ganha cada vez mais força no Canadá. A sociedade do Alzheimer daquele país informa que mais de 700 mil canadenses sofrem com a doença. O número deve dobrar para 1,4 milhão até 2031.

Ao mesmo tempo em que uma cura para este tipo de demência ainda não foi encontrado, ter consciência de certos sinais precoces é muito importante. Há muitos tratamentos, concebidos para tratar dos sintomas, que têm mais chances de funcionar se a doença é diagnosticada precocemente.

Se você se preocupa com sua saúde, deve marcar uma consulta com seu médico sempre que surgir alguma dúvida. A seguir reunimos os sintomas que podem indicar o Alzheimer:

Você esquece o tempo todo onde colocou as chaves? Talvez seja simplesmente desligado por natureza. No entanto, se o caso é que você esquece frequentemente acontecimentos recentes ou informações recentemente aprendidas, a sociedade do Alzheimer do Canadá adverte que pode haver uma chance de que você esteja desenvolvendo a doença.


Você desaprendeu a usar a lavadora de louça? Cozinhar um prato que você sabe fazer se tornou um desafio? Não sabe mais nem os movimentos básicos da escovação dos dentes? Um dos sinais precoces mais comuns que o Alzheimer dá é a dificuldade de desempenhar atividades cotidianas. Se você se identifica ao ler isso, melhor ver logo um médico.

Ter dificuldade ocasional de encontrar a palavra correta não implica necessariamente em ter o mal de Alzheimer. Entretanto, se você enfrenta problemas com a linguagem (como a dificuldade de terminar frases, o esquecimento de coisas muito simples ou erra o nome de objetos, etc.), o que acaba tornando difícil que seus amigos e familiares o entendam, isso pode indicar que está com um risco maior de contrair o Alzheimer.

Um dos sinais precoces mais comuns do Alzheimer é a desorientação. Quem sofre da doença pode esquecer que dia é hoje. Outros podem acreditar que estão vivendo em um outro período no tempo ou encontram dificuldade de saber onde estão. Tais sinais não devem ser encarados com displicência e requerem atenção médica urgente.

Se você suspeita que tem Alzheimer, seu médico provavelmente vai avaliar quão confiáveis são as suas decisões.

O que são exatamente más decisões? Colocar várias camadas de roupa para sair no meio de uma onda de calor ou o contrário, vestir apenas uma bermuda e uma camiseta em dias frios de inverno são comportamentos típicos de gente que sofre de demência.

Cometer um erro de tempos em tempos quando trabalha em uma planilha de gastos é normal. Nem todo mundo é um gênio da matemática.

Mas é o momento de se preocupar se você não tem mais capacidade para fazer contas muito simples. Segundo a Alzheimer’s Association, um dos sinais precoces do Alzheimer é a dificuldade extrema de lidar com números.

Algumas pessoas enfrentam dificuldade de seguir um plano, mas isso não implica necessariamente em risco de desenvolver o temido mal de Alzheimer. Entretanto, aqueles que têm o risco de contrair a doença neurodegenerativa experimentam grande dificuldade de seguir cronogramas simples em suas atividades diárias. Por exemplo, a incapacidade de seguir uma receita de cozinha.

Quem tem risco de ser diagnosticado com mal de Alzheimer tende a guardar com frequência coisas nos lugares errados. Por exemplo, louças sujas na máquina de lavar roupas ou as roupas na lavadora de louça. Depois se sentem perdidos quando não conseguem encontrar suas coisas.

A sua imagem no espelho parece ser a de um estranho? É bom fazer uma visita ao médico, trata-se de um sintoma precoce típico do Alzheimer.

Ter problema de vista relacionado com a idade e necessidade de usar óculos é absolutamente normal nas vésperas dos 40 anos. Mas a Alzheimer’s Association adverte que perder a capacidade de ler, avaliar distâncias e reconhecer cores não é normal e precisa ser investigada.


Deixar de frequentar a academia mesmo quando se está matriculado e tem uma carteirinha não significa necessariamente risco de Alzheimer. Como muitos, talvez você só esteja com um baixo nível de motivação para treinar.

Por outro lado, aqueles que sofrem de Alzheimer tendem a se isolar devido à sua dificuldade de pertencer a um grupo. Eles vão gradualmente abandonando atividades sociais que antes apreciavam e passam a achar a companhia dos outros desagradável.

Variações de humor são normais e podem ser causadas por uma série de coisas. Na maioria das vezes, trata-se de uma questão transitória, e geralmente tudo acaba equilibrado no final. Noutras vezes, entretanto, tais variações podem indicar uma condição subjacente mais séria. Quem vive com o mal de Alzheimer geralmente experimenta mudanças bruscas de humor. Tende a se sentir triste, logo em seguida alegre e depois calmo e ansioso, tudo em uma questão de segundos e sem razão aparente.

Seus amigos não o reconhecem mais? As pessoas mais próximas notam uma transformação extrema na personalidade? Talvez seja o momento de visitar um profissional de saúde mental para ser avaliado. Em alguns casos, quem sofre de Alzheimer pode experimentar mudança da personalidade. Por exemplo, uma pessoa extremamente extrovertida pode do nada virar expansiva ou vice-versa.

Ao mesmo tempo em que uma queda na motivação pode não ser um sinal de Alzheimer (as causas podem ir da fadiga até a depressão), a ocorrência não deve ser tratada com displicência. Se o baixo entusiasmo persistir e começar a ter impacto negativo na sua qualidade de vida, fale com um médico sobre o assunto.

O fato de você ser criticado pelo seu chefe por ter pouca iniciativa não implica necessariamente em ter Alzheimer. Algumas pessoas simplesmente são mais passivas que outras.

No entanto, se você notou que se tornou menos espontâneo que um dia foi ou não mostra mais iniciativa em determinadas áreas da sua vida, é bom marcar uma consulta com o seu médico de confiança. O instituto Nacional do Envelhecimento do Canadá diz que isso pode ser um sinal precoce do desenvolvimento de Alzheimer.

A fadiga geralmente acompanha muitos problemas de saúde como uma gripe, por exemplo. No caso do Alzheimer, sentir a perda de energia é uma ocorrência dos primeiros estágios da doença e dura em média dois a quatro anos. Qualquer causa que tenha, a sensação de fadiga sem explicação sempre requer atenção médica.

Pacientes com mal de Alzheimer moderado às vezes enfrentam problemas de coordenação. Eles perdem sua habilidade de usar certos objetos do dia-a-dia ou experimentam dificuldade em escrever. Dito isso, pessoas que sempre tiveram problemas de coordenação e que nunca apresentaram a melhor caligrafia não estão necessariamente com risco de ter Alzheimer.

As dificuldades de se conciliar o sono são uma luta para muitas pessoas que vivem com Alzheimer, condição que é acompanhada em geral por outros sintomas descritos nesta galeria.

Durante os primeiros anos da doença, alguns pacientes de Alzheimer relatam pensamentos estranhos. Eles podem, por exemplo, interpretar mal as intenções dos outros. Pode ser, por exemplo, a percepção de que a enfermeira vai fazer algum mal quando está apenas cuidando ou que o médico vai “manipular sua cabeça”.

Note que algumas outras doenças, como por exemplo a esquizofrenia, são caracterizadas por este sintoma.

Antes da manifestação dos sintomas mais sérios, algumas pessoas nos primeiros estágios do mal de Alzheimer percebem uma iminente perda de controle sobre suas vidas. Sem um diagnóstico, este sentimento permanece sem explicação, o que causa uma enorme frustração.

Se você acha que pode ter o Alzheimer ou tem qualquer outro tipo de preocupação a respeito de sua saúde, procure o médico.

Fonte: espresso

Fundação oferece 723 bolsas de estudo na Espanha da graduação ao doutorado

A Fundação Carolina está com inscrições abertas para 723 bolsas de estudo na Espanha, incluindo cursos de um mês (de verão), especialização, mestrado e doutorado. Há oportunidades em diversas áreas, como artes, economia, direito, ciências da saúde, finanças e empreendedorismo. Veja aqui e inscreva-se.

As 723 bolsas dividem-se da seguintes forma: 283 para pós-graduação, 100 para doutorado e estadias curtas de pós-doutorado, 66 para mobilidade de professores e 165 bolsas de estudos institucionais.

Além delas, conta-se também a renovação de 109 bolsas de doutorado. Ao todo, as bolsas abrangem um total de 181 programas acadêmicos, 143 dos quais são de pós-graduação.

Há bolsas parciais, que custeiam apenas parte das mensalidades, e outras integrais, que cobrem 100% do valor.

As inscrições vão até o dia 07 de março para os cursos de pós-graduação, e até 7 de abril para doutorado, estadias curtas, mobilidade de professores e estudos institucionais.

O que é a Fundação Carolina

Criada em 2000, a Fundação Carolina visa promover trocas educacionais entre a Espanha, países Ibero-americanos e outros que tenham laços históricos, culturais ou geográficos com o país. A fundação seleciona programas em instituições espanholas, que vão da graduação a pós-graduação, e filtra as oportunidades de acordo com suas áreas de atuação.

Ao todo, são seis: Ciencia y Nuevas Tecnologías; Energía, Medio Ambiente e Infraestructuras; Ciencias de la Salud; Economía y Finanzas, Organización empresarial y Desarrollo; Ciencias Sociales y Jurídicas e, por fim, Artes, Humanidades y Comunicación.

Em mais de dezesseis anos de atuação, a Fundação Carolina concedeu mais de 15 mil bolsas para estudantes interessados em universidades espanholas. Estima-se que, ao todo, 500 mil candidatos tenham aplicado para as oportunidades publicadas pela FC até 2016.

Fica a cargo da Fundação selecionar quais estudantes recebem os fundos, mediar o contato com a instituição de ensino de destino e garantir que o aluno cumpra com os prazos, documentos e requisitos. Em média, a cada processo seletivo anual, os responsáveis pela organização realizam mais de mil entrevistas com candidatos pré-selecionados.

Como encontrar bolsas da Fundação Carolina

Por meio do site da instituição, é possível acessar as oportunidades disponíveis a cada ano. O estudante consegue filtrar os programas por categorias como área de interesse e nível de formação, além de ter acesso a informações sobre a instituição de ensino.

É através do sistema do site que se realiza a application, e por onde o estudante submete seus dados, como currículo e histórico acadêmico ao crivo da Fundação Carolina.

Para cada programa disponibilizado, são detalhados os requisitos e critérios, como nível de fluência mínimo em espanhol e exames aceitos para comprovação de proficiência. Há ainda detalhes sobre quais custos a bolsa cobre e se há apoio extra por parte da instituição de ensino na Espanha.

Como funcionam as bolsas da instituição

Anualmente, a Fundação Carolina disponibiliza uma lista extensa de bolsas em instituições espanholas. São diversas áreas, que vão da engenharia às ciências sociais, e que abrangem níveis de formação como graduação e pós. Há ainda oportunidades de cursos curtos, de verão, em instituições específicas.

Para se candidatar às bolsas disponibilizadas pela Fundação, é necessário passar pelo processo seletivo, uma application que exige exames de proficiência em língua espanhola, além de informações sobre o histórico acadêmico e profissional do estudante.

Além disso, podem haver requisitos diferentes de acordo com o programa para o qual o estudante deseja ganhar uma bolsa. É possível obter bolsas parciais, assim como integrais, que cobrem todos os custos ligados aos cursos.

Outro ponto importante, no caso da Fundação Carolina, está na parceria que estabelece com instituições espanholas. Isso porque, em algumas das vagas disponíveis anualmente, a bolsa vem, em partes, da Fundação, e é complementada pela universidade, seja ela uma universidade pública ou um instituto privado espanhol.

Para verificar o que cada bolsa oferece, basta ficar atento à descrição presente no site e conferir o que é determinado pela instituição de ensino de destino.

Fonte:Estudar Fora

Trânsito mata uma pessoa a cada meio minuto no mundo, diz OMS

O relatório Global Status Report on Road Safety, divulgado nesta sexta-feira (07) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). revela que, em todo mundo ocorrem anualmente 1,35 milhões de mortes no trânsito, o que significa que, em média, os acidentes matam uma pessoa a cada 24 segundos.

O documento elaborado base em dados de 2016, aponta que o número global de fatalidades no trânsito aumentou em 100 mil em apenas três anos, fazendo com que esta seja a maior causa de mortes entre crianças e jovens entre 5 e 29 anos. No mesmo relatório de 2013, o total de mortes por ano era estimado em 1,25 milhões.

“Essas mortes são um preço inaceitável a se pagar pela mobilidade”, afirmou diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Não há justificativas para falta de ação. Esse é um problema com soluções já comprovadas”, afirmou.

No Brasil, diz o relatório, foram registradas quase 39 mil mortes no trânsito em 2016, com o maior número de fatalidades atingindo condutores de motos e veículos motorizados de três rodas.

Segundo a OMS, 31% das mortes no trânsito no Brasil atingem motociclistas e condutores de veículos de três rodas. Ocupantes de automóveis de quatro rodas e veículos leves vêm logo depois, com 23%, seguidos dos pedestres, com 18%.

As estimativas do órgão para o Brasil no mesmo período são ainda mais altas: 41 mil mortes no total, o que significaria uma taxa de 19,7 para cada cem mil habitantes. A título de comparação, a vizinha Argentina teve pouco mais de cinco mil mortes no trânsito em 2016, e as estimativas da OMS são de pouco mais de seis mil, resultando numa taxa de 14 mortes para cada cem mil habitantes no período.

Dados do Ministério da Saúde do Brasil dão conta de números parecidos: são 37 mil pessoas mortas nas ruas e nas estradas do país em 2016. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o número equivale a uma morte a cada 12 minutos. Até 2020, o país precisa cumprir acordo firmado com a ONU de reduzir as mortes no trânsito para cerca de 21 mil ao ano.

O relatório da OMS ainda deu destaque à efetividade da alteração dos limites legais para o consumo de álcool no Brasil. A chamada “Lei Seca” entrou em vigor em 2008. “Monitoramentos na cidade e no Estado de São Paulo entre 2001 e 2010 indicaram que a nova lei resultou em reduções significativas em lesões e fatalidades”, diz o texto.

Estabilização

Mas, apesar do aumento em número, se comparado ao aumento populacional e de veículos em todo o mundo, o índice de mortes se estabilizou nos últimos anos. “Isso sugere que esforços de segurança no trânsito existentes em alguns países de renda média e alta mitigaram a situação”, diz a OMS.

Isso se deve a melhores legislações que tratam dos principais fatores de risco, incluindo excesso de velocidade, consumo de álcool por motoristas e também a obrigatoriedade da utilização do cinto de segurança, assentos para crianças e capacetes. Além disso, calçadas mais seguras, a criação de faixas para ciclistas e exigências de melhores condições dos veículos também contribuíram.

Mais de 100 países, com população combinada de 5,3 bilhões de habitantes, exigem o uso do cinto de segurança, enquanto apenas 44 países, que somam 2,3 bilhões, possuem legislações eficazes contra o uso do álcool pelos motoristas. Os assentos de segurança para crianças são obrigatórios em 33 países, com um total de 650 milhões de pessoas.

As nações mais pobres, porém, ainda deixam a desejar. Segundo o relatório, “nenhum país de renda baixa demonstrou redução no total de mortes”. A OMS afirma que o risco de morte no trânsito nesses países é três vezes mais alto do que nos países de renda mais alta.

Os índices são particularmente altos na África, que contabiliza 22,6 mortes anualmente para cada 100 mil pessoas, o que revela um contraste em relação à média de 9,3 da Europa, que possui os números mais baixos.

A OMS destaca também o descaso para com os mais vulneráveis no trânsito. Mais da metade das mortes são de pessoas a pé ou sobre duas rodas. Pedestres e ciclistas somam 26% do total de mortes. Na África, esse percentual é de 44%. As mortes de motociclistas e seus passageiros somam 28% do total de óbitos, enquanto no Sudeste Asiático, contabilizam 43% do total.

Fonte: DW

Prédio onde funciona CNN é esvaziado por ameaça de bomba em NY

O Time Warner Center, em Manhattan, que abriga a CNN, foi evacuado depois que alguém fez uma denúncia sobre uma ameaça de bomba na noite dessa quinta-feira (6) – madrugada desta sexta-feira (7) no Brasil – informou a estação WABC de Nova York, da ABC.

Após uma varredura no prédio, a polícia não encontrou nenhum explosivo e os funcionários foram autorizados a entrar no prédio logo após as 23h. A segurança da CNN também procurou e não encontrou nada. Vários funcionários da CNN estavam tuitando sobre o incidente.

O programa da CNN de  Don Lemon estava no ar e a programação da emissora foi interrompida, escreveu o jornalista no Twitter.

Fonte: noticias ao minuto